Picture
    Os trabalhadores do Algarve, aderentes da linha sindical LUTA-UNIDADE-VITÓRIA, saúdam entusiasticamente a criação deste sítio, onde a informação livre, a discussão de ideias sobre o sindicalismo de tipo novo e o desmascaramento do oportunismo que grassa no seio do movimento sindical, terão a sua tribuna de âmbito nacional, para que possamos marchar todos como um só homem na senda da Revolução e do Socialismo.

    A preparação da grande jornada de luta, que deve constituir a próxima Greve Geral Nacional do dia 24 de Novembro, encontra-se já em bom ritmo. Assim, os sindicatos do sector dos transportes no Algarve decidiram participar na Greve Geral. A decisão foi tomada em reunião com a União dos Sindicatos do Algarve, em Faro.

    Estiveram presentes nesta reunião, os Sindicatos dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA), dos Transportes Rodoviários (STRUP), dos Transportes Ferroviários (SNTSF) e dos Transportes Marítimos (OFICIAISMAR), e ainda das Indústrias Transformadoras e Energia (SITE).

    Além de assumirem um apelo conjunto à adesão massiva a esta Greve por parte dos trabalhadores do sector, e dos trabalhadores algarvios em geral, os sindicatos decidiram também articular as informações sobre as acções preparatórias da Greve Geral, a organização dos piquetes de greve e o esclarecimento à população.

    Também, e neste sector, a Comissão Sindical do Algarve do Sindicato Nacional dos Maquinistas do Caminho de Ferro (SMAQ) decidiu permanecer nas instalações da empresa durante a realização da Greve e participar de forma activa na manifestação a ter lugar em Faro.

    No sector da saúde o descontentamento é enorme, encontrando-se em luta já há algum tempo. O núcleo algarvio do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses e o Sindicato da Função Pública Sul e Açores prevêem o despedimento cerca de 250 profissionais do Hospital de Faro e do Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio (CHBA). Em comunicado estes sindicatos dizem que nos hospitais da região existem cerca de 149 enfermeiros, 81 Assistentes Operacionais e 17 Assistentes Técnicos “todos com contratos a termo, alguns dos quais precários desde 2007”. A nova legislação sobre contratações e renovação dos contratos existentes exige fundamentação exaustiva que inclui aprovações da Administração Regional de Saúde e do Ministério da Saúde. Processos longos que os sindicalistas referem que não “se coadunam com os termos dos contratos, que entretanto vão finalizando”. “No Hospital de Faro foram já despedidos trabalhadores nas últimas semanas e continuarão até ao final do ano, sendo que a esmagadora maioria, em ambos os hospitais poderá acontecer em 2012”, lê-se no comunicado. “Sendo trabalhadores que ocupam postos de trabalho de natureza permanente já todos deveriam estar com contrato de trabalho por tempo indeterminado. É inadmissível que, em nome da poupança, se despeçam profissionais e que com isso se ponha em causa os cuidados de saúde aos utentes”, argumentam os sindicatos. “As medidas do Governo para a saúde são profundamente “criminosas”. “Não admitem e despedem, dificultam o gozo de direitos, diminuem para ¼ o pagamento de trabalho extraordinário ainda que as necessidades aumentem. Aumentam as taxas moderadoras, reduzindo a acessibilidade dos utentes”. Para os sindicalistas é tempo de lutar contra a política destes Governos, pelo que em moção aprovada no passado dia 4/11, em frente ao Ministério das Finanças, decidiram aderir à Greve Geral Nacional.

    O Sindicato Nacional de Bombeiros Profissionais, também aderiu à Greve Geral Nacional e durante todo esse dia irão decorrer plenários em todas as corporações do Distrito, assim como do País com bombeiros profissionais.

    Neste momento encontram-se já confirmadas adesões, através das suas delegações regionais, o Sitese - Sindicato dos Trabalhadores e Técnicos de Serviços,  o Stal – Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local, o Cesp – Sindicato dos trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal, o Sindicato dos Trabalhadores da Actividade Seguradora, o Sindicato dos Profissionais de Seguros de Portugal, o SBSI - Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas, as ORT’s dos Hotéis Ritz, Tivoli, Sheraton, Marriott , Corinthia, Palácio, Éden e Penha Longa.

    Só a preparação e efectivação séria, com objectivos claros e precisos, desta Greve poderá que ela constitua o primeiro passo para o aniquilamento deste sistema de exploração do homem pelo homem, começando por exigir o derrube do governo de Passos Coelho e a instauração de um Governo de Esquerda, Democrático Patriótico que tome como primeira medida o repúdio da dívida.

EM FRENTE POR UMA GREVE GERAL NACIONAL VITORIOSA!
NÃO PAGAMOS!
O POVO VENCERÁ!

 


Comments


Your comment will be posted after it is approved.


Leave a Reply